Arquivo da tag: processo criativo

Resolvendo problemas e vendendo ideias

Volta e meia o acaso nos favorece e acabamos esbarrando em alguma informação que nos ajuda a resolver os problemas do nosso cotidiano. Meio que sem querer, esta semana encontrei o incrível material do Dan Roam, chamado de The Back Of The Napkin (algo como “o verso do guardanapo”, em bom português brasileiro).

O livro promete ajudar as pessoas na “resolução de problemas” e a “vender ideias”, tudo isto com a simples utilização de “figuras”. Parece coisa do nosso velho conhecido Adams Óbvio, não é? Todos que trabalham na área de Marketing e Comunicação sabem que uma boa apresentação de projeto deve ser sempre ricamente ilustrada, com a intenção de facilitar o entendimento da mensagem a que se propõe passar.

tbotn_cover
Capa do livro TBOTN, de Dan Roam. Clique na imagem acima para acessar o site do autor.

 

E foi mais ou menos isto que Mr. Roam fez: pegou algo que é consenso geral, que todos nós sabemos que funciona, fragmentou e transformou em um técnica interessantíssima que pode ser facilmente utilizada por qualquer um que precise acelerar a geração de ideias ou fazer uma apresentação de forma clara e com fácil entendimento por parte da audiência.

Várias sãos as dicas apresentadas no livro. Mas a essência da tese de Roam está baseada na aplicação de quatro ferramentas que o próprio autor disponibiliza de forma gratuita em seu site:

  1. A caixa de ferramentas do Visual Thinking;
  2. O Codex;
  3. O SQVID (Simple, Quality, Vision, Individual e Delta (percentual de variação, ou Change);
  4. A regra do <6><6>.

Para o autor, a utilização destes recursos auxilia no desenvolvimento da habilidade denominada por ele de “visual thinking” (pensamento visual), pois o sentido da visão facilita a interpretação de dados e nos permite acessar toda uma gama de possibilidades e novas ideias. Clique AQUI para fazer o download de um arquivo PDF com uma compilação feita por mim, que contém estas quatro ferramentas.

O assunto rende muitas ideias, aplicações e pode ter diversos desmembramentos. O livro é fácil de encontrar em qualquer boa livraria brasileira e não é dos mais caros. Sugiro dar uma boa conferida. Vale o investimento! #ficadica

Anúncios

Por onde começar a pesquisar na hora de criar logotipos?

No Google, certo?

Não!!! Bom… pelo menos você deve ter chegado até aqui pesquisando por lá. Normalmente este é o ponto de partida da maioria dos designers gráficos: “Googlear” uma pesquisa genérica sobre a área de atuação do seu cliente. E em seguida clicar no link “Imagens”.

Este é um caminho, mas existem alguns bons sites especializados no assunto que podem te ajudar muito nestes momentos de início de trabalho. Já vou avisando que nenhum deles irá lhe dar uma fórmula mágica para resolver o job em 15 minutos. A ideia deste post é lhe dar subsídios para pesquisa de tendência e ampliar seu repertório gráfico para ajudar na hora da criação.

Aí vão alguns links que garimpei ao longo dos anos e estão sempre nos meus Favoritos:

Logo Design History

Considero este um ponto de partida para qualquer pessoa que queira criar um logotipo realmente consistente, e que pretenda permanecer por um bom tempo no mercado. O pessoal do Logoorange, escritório de design baseado em Paris, catalogou em ordem alfabética alguns dos mais importantes logotipos da história, mostrando sua timeline e um breve histórico da marca.

LogoLounge

No tempo em que as agências costumavam comprar livros de pesquisa para o pessoal da Criação, este era um dos que sempre aparecia no meio da lista de pedidos. Como os livros impressos são cada vez mais caros e raros, o negócio acabou migrando para a web. Neste site você até pode pesquisar de forma gratuita algumas seções e notícias, mas para ter acesso total é necessário fazer uma inscrição e pagar uma taxa de US$ 100,00.

LogoPond

O LogoPond funciona mais ou menos como uma rede social para que os designers gráficos/diretores de arte possam mostras seus trabalhos, discutir sobre o assunto, avaliar, etc. Funciona quase como o Behance Network ou o DeviantART, só que de logotipos. Sempre tem muita coisa interessante e as principais tendências costumam aparecer por ali primeiro.

Pixellogo

Esta é a hora da polêmica! Sim… o Pixellogo é uma destas empresas que cria logotipos e papelaria por um preço irrisório e de forma automatizada. Não vou entrar na discussão se é certo ou errado, bom ou ruim… Mas é interessante conhecer o mercado e saber que este tipo de prática não é algo que acontece somente aqui no Brasil.

Brands Of The World

Este é para salvar a vida dos arte-finalistas! Sabe quando o atendimento repassa um arquivo de  Word, contendo um JPG em baixa, com o logotipo que é para inserir no rodapé do cartaz? Se você for um cara muito sortudo, e este logotipo for de uma grande empresa, basta acessar o BOTW, baixar ele vetorizado, e aplicar na arte. Acredite: este site já salvou vidas! Você também pode fazer o upload das suas criações e disponibilizar sua arte para que outros utilizem o arquivo certo. Ninguém quer ver sua criação redesenhada por alguém inexperiente, quer?

Logotypes RU

Este site é mais antigo e segue a mesma linha do BOTW. O logotipo que você não encontra em um, pode estar em outro. Quanto mais fontes de pesquisa, melhor! O link vai diretamente para a versão em inglês, pois acho que nem todo mundo domina a língua russa…

Espero que estes links possam ajudar você a entender um pouco mais sobre a complexa arte de criar logotipos. A responsabilidade é grande. Por isso, pesquise, faça 10, 20, 30 opções, e só apresente aquelas que você realmente acredita estarem de acordo com o perfil do cliente.

Como escolher uma fonte?

Acredito que todo diretor de arte ou designer gráfico já se deparou com o dilema de “qual fonte escolher” para um projeto em andamento. Seja o desenvolvimento de uma simples newsletter ou um estudo de criação para logotipo.

Com a facilidade que se tem para encontrar fontes gratuitas pela web, é comum termos dois, cinco, dez mil fontes disponíveis no nosso computador. E isto acaba se tornando uma verdadeira dor de cabeça!

Recebi estes dias de um amigo, um estudo muito legal feito por uma designer gráfica dinamarquesa chamada Julian Hansen. A ideia dela é muito interessante. Meio engraçadinha e com algumas piadas de gosto duvidoso, mas mesmo assim vale a intenção.

Julian desenvolveu um quadro com várias famílias tipográficas, que tenta conduzir o atormentado criativo até uma solução para este dilema. O centro do quadro traz a seguinte questão: “Então você precisa de uma fonte” ou algo do gênero… Partindo deste ponto, você define um tema ou área do projeto e vai sendo “guiado” até uma solução tipográfica.

Engraçadinho ou não, acadêmico ou não, o fato é que deve ter dado um trabalho enorme para desenvolver este material e os resultados são até que bem satisfatórios.

Quem se interessar, pode até comprar o poster impresso (aqui). Recomendo.